Projetos de Engenharia
  • engefast@engefast.com.br
  • 11 3207-3724 | 11 3207-1411

O Que é e Para Que Serve um Projeto de Engenharia?

Muito mais do que empilhar tijolos ou montar estruturas metálicas, construir é uma missão elaborada que requer análise de cálculos, detalhamento estrutural, tomada de decisões, entre outros fatores que fazem toda a diferença no produto final da obra. Diante disso, o projeto de construção uma obra torna-se indispensável atualmente, quando custo, tempo e exploração de recursos são itens fundamentais ao construir.

Descubra a seguir como um projeto de construção e como a gestão desse podem fazer a diferença na sua obra.

O que é e para que serve um projeto de engenharia?

O projeto é um dos elementos fundamentais do processo de produção no setor da construção. É neste momento que são feitas as escolhas que vão direcionar a obra: definições de material, construtoras, escritórios de engenharia e arquitetura, profissionais, entre outros aspectos que compõem o momento construtivo. Costumam fazer parte do projeto definições sobre:

  • Arquitetura;
  • Fundações;
  • Estruturas (concreto, metálica, alvenaria estrutural);
  • Instalações (hidráulicas, combate a incêndio, elétricas e sistemas);
  • Ar condicionado;
  • Automação;
  • Paisagismo;
  • Drenagem;
  • Terraplenagem;
  • Acústica;
  • Iluminação;
  • Análise térmica/ energética;
  • Impermeabilização;
  • Meio ambiente;

É no projeto de construção também que se especificam objetivos, prazos, custos, enfim, é quando se traça o planejamento da obra.

Qual a importância do projeto de engenharia?

O projeto de engenharia é o guia de execução de uma obra. É importante para que as necessidades do usuário sejam entendidas e transformadas na melhor solução arquitetônica, o que inclui não só a estética como as condições de habitação, acesso e conforto.

O projeto prevê e direciona como, quando e por quem as operações serão realizadas. Com o estudo do projeto de construção da obra, as previsões são mais precisas, o processo pode ser otimizado, e o bom resultado tem maior garantia, ainda podem ser estudadas soluções para uma melhor eficiência das edificações, como, por exemplo, economia de energia e reuso de água, gerando uma economia no custo da operação após a entrega.

A partir de planejamentos, cálculos e levantamentos é possível:

  • Evitar surpresas durante a execução;
  • Desenvolver diferenciais competitivos;
  • Antecipar situações desfavoráveis;
  • Agilizar as decisões;
  • Aumentar o controle gerencial.

Em suma, os projetos são: planejados, executados e controlados. Confira abaixo cada uma dessas etapas.

Planejamento

O Planejamento da obra inclui a previsão de prazo de entrega para cada uma das fases da obra, assim como seus custos.

O planejamento de obra inclui decisões a respeito dos seguintes tópicos:

  • Prazos;
  • Qualidade;
  • Segurança;
  • Meio Ambiente.

Nesta fase de desenvolvimento do empreendimento, estão envolvidos a incorporadora – responsável pela concepção, coordenação, desempenho, especificações, levantamentos de custos do produto a ser construído (podem ser construtoras, escritórios de engenharia, etc) – o proprietário do empreendimento, a gerenciadora / gestora, seguradora e os órgãos de aprovação do projeto (prefeitura, corpo de bombeiros, meio ambiente e tráfego).

O planejamento funciona como uma forma de controle de custos, prazos e atividades da obra, mas para isso se faz necessário acompanhar com atenção as ações construtivas. “Com o planejamento é possível ter uma visão clara do caminho crítico e do fluxo de desembolso necessário para a condução”, assegura a especialista, Marcia Menezes dos Santos.

Execução

Na fase de execução da obra participam:

  • Empresa de engenharia e construção, responsável pela viabilização do empreendimento (técnica e de custos), coordenação do projeto, custos, planejamento das ações construtivas, logística, desempenho, gestão da qualidade, segurança, meio ambiente, compras e contratações (gestão de fornecedores), construção, vistoria e entrega, além da assistência pós-entrega. É a gestão da obra;
  • Fornecedores de materiais, componentes e sistemas, equipamentos.
  • Fornecedores de serviços;
  • Órgãos fiscalizadores – habite-se, AVCB, etc.

Operação e Manutenção

A obra não acaba quando termina: são necessárias medidas para controlar a operação e manutenção do produto final. Deve-se também estabelecer normas de boa conservação das construções para evitar possíveis prejuízos com reparos e reformas póstumas. Quando se estabelece um contrato para uma construção, o engenheiro ou a empresa construtora tem a obrigação por Normas e leis, a ter uma qualidade definida.

Contratações Projetos de Engenharia

A contratação de empresas (construtoras, escritórios de engenharia, escritórios de arquitetura, etc) para a execução do empreendimento é uma tarefa que exige cuidado e atenção. É costume investigar a saúde financeira, o currículo e a experiência das candidatas. Também é importante verificar se a empresa respeita as boas práticas ambientais e de segurança no trabalho, a forma de contratação dos funcionários da empresa e se a candidata faz uso de tecnologia de ponta.

figura-1-do-doc-conteúdo-12-e-3

Preço

O investimento em um projeto de construção representa 2 a 4% do valor do custo da construção, podendo ainda gerar economia posteriormente. Apesar das vantagens proporcionadas pelo projeto construtivo, o consumidor final ainda prefere dispensá-lo. É comum utilizar os serviços dos profissionais da área de construção e contratar somente as equipes operacionais que não vão utilizar projeto ou planejamento. É o chamado ‘bom pedreiro’. Mas a opção por não investir em estudos e planejamento tem seu preço: “pode onerar a obra ou mesmo o desempenho da edificação durante o seu uso.

Para obter sucesso

Para garantir o bom andamento do empreendimento, além das recomendações acima sugeridas é preciso seguir algumas normas básicas, fundamentais em qualquer realização. Destacam-se:

  • Bom senso: agir dentro do combinado, com discernimento do que é certo e errado, e com coerência;
  • Experiência: agir de forma empírica, tirar proveito daquilo que já foi vivido, do que já é conhecido;
  • Honestidade: agir distante de fraudes, com o compromisso de ser verdadeiro não mentindo nem escondendo problemas/obstáculos que podem surgir ao longo da execução do empreendimento;
  • Transparência: mostrar clareza nas atitudes e cumprir com o que foi combinado;
  • Ética: como em toda a prática, a conduta ética é indispensável.

Material de Apoio: Portal Met@lica / NGI Consultoria

No Comments Yet.

Leave a comment